Foi bom

E foi estranho. Tanta paz. Tanto silêncio, tanto espaço.
Tanto verde.
Não, corrigindo, tanta natureza. E muita. Chegava a ser sufocante a necessidade de respirar todo aquela cor. Os pensamentos pareciam nem ser meus, vinham de longe como um eco profundo. Fiquei a pensar sobre tudo e sobre nada. Nada? É, nada, nada mesmo. Um vazio enorme. É difícil, mas até que dá, de vez em tanto (não errei não, é em tanto mesmo, por que, ultimamente, tem sido constante), quero dizer, não pensar em nada. Ouvir, enxergar o mundo a volta.
E eu escutei. Escutei os gritos. As árvores, os pássaros, as frutas, o sol, a água. Tudo gritava. Mas não havia o que se fazer. Ali, dentro da mata, me senti extasiada. Cansada.
Por que é mais simples, se virar, ir para a "civilização", a cidade, ver tantos prédios e tantos carros, tanto tudo. Mas ali, presa dentro da natureza, é difícil não ouvir. Não se penalizar.
O mundo poderia ser assim. Poderia, mas não é. E está sendo cada vez menos. É como ouvir uma criança chorar de fome e jogar comida fora, por que não aguenta mais comer. Uma tortura banalizada. Normal. Cotidiana.
Mas, foi só sair de lá. Por os "pés" na estrada, o fone no ouvido e tudo estava como sempre esteve.
A gente vê, mas não enxerga, a gente sabe, mas não se dá conta.

Comentários

Uau, voltou tão profunda! Eu não sou muito natureza, acho que sou meio "moca"...

Postagens mais visitadas deste blog

Ablepsifobia

Sophie Kinsella

Ser mulher