Entre nós.

- Tem uma vozinha.
- E o que ela diz?
- Tanta coisa.
Ela tem medo, eu sei, tenho também. Ela se preocupa. Não posso culpá-la. Não disse a ela que a voz, aquela voz, é a minha. Mas eu tinha que dizer. Ela fica gritando com insistência, a voz. Todo dia, o dia todo. O tempo todo.
- Dói.
- Eu sei, mas vai passar.
- Deixa eu acabar logo com a dor.
- Como?
Ela sabe. Sabe exatamente o que penso. Mas é difícil dizer, é difícil até confessar que é verdade.
- Você confia em mim?
- Confio.
Não é uma questão de confiança. é um pouco mais complicado.
- Quando ela falar, a voz, pensa em mim.
Eu penso, eu sempre penso. No silêncio, ela me atormenta.
- Boa noite.

Comentários

lorena disse…
Acho q a minha piração talvez seja pior q a tua: pq meu self enfia o dedo na ferida e aí vem outro eu e sempre diz q vai passar.
E eu sigo acreditando, passa mesmo, mas tem sempre outras dores, elas sempre passam tbm.

Postagens mais visitadas deste blog

Ablepsifobia

Sophie Kinsella

Ser mulher