Eu queria morrer de amor.

Morta matada ou morte morrida. Tanto faz. O importante é o amor, não é a morte. Mas não me leve a mal, só não me leve ainda.
Há tanto o que ver e sentir. Há tanto o que amar! Queria um romance de livro. Desses de sofrer muito, sabe?
Quero sofrer por amor. Sofrer e amar. Amar é sofrer. Mas quero sofrer um sofrimento correspondido. Por que sofrer sozinho não é amor. É tortura.
Quero que todos saibam que amo. Pode ter seus defeitos, ser mal visto, mal falado, comentado. Mas, se falam, é por que existe, não é mesmo?
Quero um amor que exista. Que seja fato, contado, falado, mais do que provado.
Quero um amor que me chame de "coisa linda", mesmo eu não sendo. Quero um amor. E ponto. E ponto e vírgula.
Quero amar de amor. Quero transbordar de amor, quero viver de amor, quero respirar teu amor.
Quero pulsar. Veia que pulsa é veia viva, cheia de vida, de anseios. Coração não guarda nada, pulmão só respira, a pele, transpira. É o cérebro que tem segredos. E deles não aguento mais.
Não vou segrediar, vou falar, vou cantar, vou gritar.
Te quero aqui comigo. Seja lá quem for.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ablepsifobia

Sophie Kinsella

Ser mulher