Dezessete

Dezessete anos. Outro dia me perguntaram quantos anos tenho. Engasguei um pouco antes de dizer. Faz apenas um mês desde que a resposta para essa pergunta mudou. Leva um tempo para se adaptar.
Mas foi outra coisa que ficou na minha cabeça. Primeiro, lembrei de um filme que eu vi: "17 outra vez". Será que eu voltaria a ter 17 anos, mesmo depois de já ter passado por isso?
Melhor ainda "O que eu espero de mim, daqui a 17 anos?".
Seria 34 anos. Mais ou menos a idade da minha mãe hoje em dia. O que me assustou foi não saber a resposta. Não tenho a menor idéia do que quero daqui a 17 anos. Nem sobre trabalho, nem sobre família, nem mesmo sobre mim mesma. Nada. Zero. É como pensar em uma nova vida. Aqui acaba a "primeira parte" e começa a segunda. Uma folha totalmente em branco. O que, nesses meus 17 anos já vividos, eu vou continuar levando comigo? Será que vou levar alguma coisa, afinal de contas? Nunca vi ninguém na casa dos 30 que tenha muitas coisas dos 17 consigo. Talvez uma amiga que vê duas vezes por ano.
A impressão que dá é que esses 17 anos não serviram para nada.
Como eu li uma vez em um livro:
"Meus ontens estão desaparecendo, meus amanhãs são incertos"
Assustador, não é?

(Nota: texto escrito em 05/06/2010)

Comentários

Anna Larissa disse…
Nem me fale, é difícil se manter tão igual sei lah, o mundo muda tanto todo dia, que a gente acaba mudando junto!

Bju

Postagens mais visitadas deste blog

Ablepsifobia

Sophie Kinsella

Ser mulher