The only one.

Você é único.
Mesmo assim nada parece ser suficiente.
De repente, eu não sou mais suficiente.
Para falar a verdade,
acho que nunca fui.
Quando se sabe o quanto vai ser suficiente?
O quanto de amor,
o quanto de raiva.
Quanto precisa para a gente sair da vida de alguém?
É como o vento que passa silenciosamente pela janela.
Ele não se percebe passando, mas passa.
Com o tempo é assim também.
Acho que estou errada.
Estou sempre errada.
Mas as desculpas não passam de farrapos presos em meus dentes.
O pior é aquela voz na minha cabeça.
Sempre a mesma voz.
Será que é ele?
Eu não aguentaria se fosse.
Mas o amor e o ódio andam de mãos dadas dentro de mim.
Às vezes um fala mais alto que o outro.
Às vezes ouço gritos. Vejo estilhaços.
Eles me cortam com força.
Eu me deito e penso.
É só o que eu posso.
Fazer não está mais no meu alcance.
Como você não percebe?
Quando deixei de ser suficiente?
Foi quando cresci?
Foi quando aprendi a fazer tudo que me mandam?
Foi quando morri por dentro?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ablepsifobia

Sophie Kinsella

Ser mulher