Parece piada

Ano de eleição. É quase cômico que seja ano de eleição. Saio pela rua de manhã para ir para o colégio e vejo várias pessoas nos comitês por aí. Com as bandeiras e os adesivos e os carros de som e aquela coisa toda. Slogans, fardas, bonés, músicas chatas que grudam e ficam se repetindo na nossa cabeça por mais uma hora, tem de tudo. Mas já percebeu que em canto nenhum tem proposta nenhuma de nada? Passo por pelo menos uns 4 comitês todo dia e até agora, mesmo sendo abordada umas 6 a 9 vezes por aquele pessoal que entrega adesivo e santinhos, não tenho a menor idéia do que Fulano de Tal ou o Zé dos Anzois Pereira pretende fazer. Mas sei que o Antonio Alguém é padrasto de um primo de um colega do colégio.
(?)
E aí? Ok, meu professor de história disse que tem um monte de site na internet que fala de tudo que esse pessoal já fez, faz e pensa em fazer. Mas você tem que ter PELO MENOS internet (e falo isso por que tem muito eleitor que não tem), tempo e boa vontade. O que a grande maioria não tem, vamos ser sinceros! Como é que a população brasileira elege seus candidatos de dois em dois anos?
E assim, ninguém trabalha, ninguém estuda, ninguém dorme em ano de eleição é? Ou será que nunca NINGUÉM se importou com aquela barulheira toda que os candidatos fazem? Sempre que estou em casa tentando aprender a associar geradores e capacitores e passa algum carro cantando o nome de alguém, risco da minha listinha de possíveis canditados. Não era para eles estarem tentando me ganhar, tentando agradar o eleitorado? Por que que em vez disso eles só se preocupam em fazer poluição? (eu ia até dizer sonora, mas eles poluem de todo jeito que podem mesmo...) 
Já escutei muitas pessoas falando de muitos candidatos e partidos, e sempre dou mais e mais risada. Até mesmo o Tiririca já entrou na "brincadeira" esse ano. Os humoristas, coitados,  foi quem levaram o pato.
"Mas é isso mesmo", já ouvi dizerem, "não tem opção, a gente tem que votar".
A coisa é que a gente tem. A gente sempre tem opção. Certo, esse ano é talvez mais difícil um pouco de escolher, até por que não tem Lula pra votar, rs. Mas a população sempre tem opção, eu mesmo não sabia que, se 51% do eleitorado votar nulo, a eleição é anulada e tem que ser convocadas novas eleições, com novos candidatos. Mas isso nunca aconteceu mesmo. A grande questão é que todo mundo sempre prefere não se meter. E já que terça "comemoramos" a independência, desde desse dia que a grande massa brasileira não sabe de nada. Éramos um país e ninguém sabia disso. Acho que, no fundo, as pessoas ainda não deixaram cair a ficha. O que mais leio na minha apostila de história do Brasil é "sem a participação popular". Como querermos que o nosso país mude se não temos o menor interesse de fazer nada?
Mas como eu vi no Belos e Malvados (e espero que ela não se importe de eu estar trazendo pra cá assim do nada...):
Vida é dor, Majestade. Quem diz o contrário está querendo vender alguma coisa. (A  Princesa Prometida - Princess bride, Rob Reiner, 1987.)
E como eu estava falando, chega a ser cômico, como nunca o Brasil parece tão sem dor como em ano de eleição.
Mas como dizem por aí, política a gente não discute, a gente só escuta o que falam e se indigna.

Para quem aguentou ler tudo,
Beijos.

Comentários

S. disse…
lindo post, fofa.
beijinhos
Belos e Malvados disse…
Me importar? Muito pelo contrário. É um prazer fazer parte deste post bacana. Um beijo para vc.

Postagens mais visitadas deste blog

Ablepsifobia

Sophie Kinsella

Ser mulher