Eu tive um sonho, de natal...

Eu tive um sonho. Era muito estranho. Um dia em que todas as pessoas do mundo se juntavam em um só pensamento. Todos queriam a mesma coisa. Todos andavam por aí travestidos das maneiras mais engraçadas possíveis. Todos acompanhavam as mesmas músicas com coreografias que todos sabiam. Parecia um daqueles musicais da Broadway, que ninguém lê nada, mas todos sabem o que dizer.
Exceto por mim. Eu não sabia exatamente o que fazer. Aquela festa toda parecia meio sem sentido para mim. Por que toda aquela algazarra? O que estava acontecendo? Qual a razão, qual a motivação daquelas pessoas?
Eles pareciam bobos da corte, andando por aí gritando alegrias, quando tudo o que eu via em volta era tristeza.
Pessoas rindo, comendo, bebendo e gastando o que não tinham. Alegremente. De novo eu me perguntava: qual o sentido disso tudo?
Então eu percebi. Eu vi. Ali, dentro da árvore enfeitada e do presépio montado: era natal.
Por que o natal cria isso nas pessoas? Essa sensação de estar deslocado, sendo levado por um sentimento que muitas vezes a gente nem entende.
Mas a simbologia das luzinhas respondem: a esperança. A esperança chegou. A esperança que ninguém percebeu antes, durante todo o ano, chegou.
As pessoas se dão conta, no natal, que o ano está acabando, e há muitas coisas a pensar. Primeiro, a gratidão. Por mais que coisas ruins tenham acontecido, por mais que exista a tristeza da perda, da solidão, existe a gratidão. Gratidão de ter conseguido passar por mais esse ano, por mais que tenha havido obstáculos, nós superamos todos eles. E passamos sim, com louvor.
Todo ano é igual, a gente sofre, a gente luta, a gente trabalha, a gente sonha. E esse não é diferente. Mas a gente passou. A gente enfrentou. A gente ganhou.
Então, sim, é a gratidão que nos faz rir do nada, e não as taças de champanhe.
Depois, as expectativas. Não somente do salpicão e do peru da ceia. Mas as expectativas do ano que vai começar. Acho, inclusive, que é por isso que temos presentes no dia do Natal. Para abrir esse sentimento de expectativas. Quem será que é meu amigo secreto? O que vou ganhar? O que esse ano vai trazer para mim? Será que vou alcançar todas as minhas metas? Será que meus sonhos virarão realidade?
Claro, a espiritualidade. Essa é uma das razões das festividades. A crença que tudo pode ser diferente. A fé. Essa fé em que tudo vai dar certo dessa vez. Se não deu antes, ou mesmo se deu. A fé de que vamos continuar. Não importa sua religião, o que importa é acreditar. Acreditar no que quiser acreditar. Acreditar que vai chegar sua vez. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ablepsifobia

Sophie Kinsella

Ser mulher