Aquele dia

Eu escrevo emoções.
Datas. Conversas. Sentimentos. Amores. Dores. Eu escrevo por que vivo, vivo por que escrevo.
Dia 16 é dia dela. Como não (des)escrevê-la? Ela é tudo que tenho de mais vivo em minha vida.
Estar com ela é como se fantasiar de roupa fluorescente na luz negra no escuro. Não dá para passar desapercebido. Mas, também, quem quer passar desapercebido nesse mundo?
Como diz a Sara Bareilles, ela é imperfeita, mas tenta. Ela é atrapalhada, mas é bondosa (essa eu traduzi para você).
Tenho certeza de que sou igualzinha a ela. Ela é como um caminho. O caminho bom a se seguir. Sei que, por onde ela for, eu devo ir atrás. Com ela, me sinto segura. Dá para ser frágil e porto seguro ao mesmo tempo?
Eu odeio vê-la chorar, o que ela faz muito pouco. Ao contrário de mim, que sou uma torneira ambulante. Mas quando ela chora, o céu parece que escurece. O Sol se esconde até a tormenta passar. E a tormenta sempre passa, como ela me ensinou. Não há dor que dure para sempre.
Quando preciso, ela fecha os olhos e reza comigo, mão com mão. Ela me ensinou sobre Deus. Sobre sua infinitude e sobre sua bondade. Me ensinou tantas outras coisas essenciais para o convívio em sociedade.
Ela cativa todo mundo que passa por perto. Ele é uma líder nata. Não tem quem não se entregue pelo seu magnetismo.
Esse ano que passou (não posso mentir), foi barra. Mas nada que ela não pudesse superar.
Às vezes me pergunto como que fomos parar sendo filha e mão. Às vezes parece que não temos nada haver. Ela gosta de mpb e eu de rock. Ela gosta de usar a blusa por dentro e eu por fora. Mas só ela me entende. Juntas, somos como reagentes que, um ácido e uma base, formam um complexo sal.
Desejo à ela só coisas boas. Até por que o que de bom vier para ela, respinga em mim, hehe.
Desejo que seja feliz, mesmo quando estiver triste.
Te amo, mãe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ablepsifobia

Sophie Kinsella

Ser mulher