Ele e ela.

Ele chegou do nada, tocando a campainha que não funcionava. Ele sabia que ela estava ali, esperando por ele. Ela estava sempre esperando por ele. Sempre.
Ele entrou de fininho, pensando em surpreendê-la. Mas ela estava contando com aquilo fazia muito tempo. Um momento para passarem juntos.
- Olá?
Ele reconhecia toda a ansiedade em sua voz. Ele não lhe ligava havia dias. Sua agonia estava cada vez maior. Seus desejos estavam sem limites. E por seus eu digo dos dois. Os dois esperavam por aquele segundo de atração.
Ele não falou nada.
Ele entrou no quarto e a encontrou deitada na cama, lendo aquele livro que há dias a emprestara, de novo e de novo, ele supunha.
- O que você está fazendo?
Ele não tinha intenções de responder.
Ele largou então as flores que trazia no chão. Elas caíram em um baque silencioso. Não fizeram tanto estardalhaço quanto deveriam ter feito. Eram só um mero detalhe vermelho na paisagem mal-iluminada.
Ele via o fim de tarde caindo o sol pela janela grande do quarto. Estava calor.
Ele foi desabotoando a camisa aos poucos.
- Não sei se isso é o que deveríamos fazer...
- Shii!
Ele a pegou nos braços, finalmente. Seu calor emanando de seu corpo, chegando ao encontro dela. Seu cheiro açucarado de perfume barato saindo por cada um de seus poros. Não era o suficiente, eles tinham que estar ainda mais perto.
Ele a abraçou mais forte, pegou em sua nuca e insinuou um beijo. Ela correu com a cabeça atrás de seus lábios, como um cachorrinho indefeso.
Ele a beijou. Seus lábios se tocaram e naquele momento muitas coisas passaram pelas suas cabeças. Tudo que já viveram juntos. Tudo que ainda tinham pela frente.
Ele aproximou sua coxa do quadril dela. Começaram então aquela dança sensual. De um lado para o outro, dançando juntos a mesma melodia secreta.
Ele parou, se afastou e olhou para ela.
- Você é tão linda.
- Shii...
Ela não aguentou mais. Tomou conta da situação.
Ela agarrou-o com uma mão e com a outra arrancou seu vestido fora.
Ela beijava-o como se nada mais no mundo existisse, como se nada mais importasse, como se nada fosse acontecer de importante naquele momento.
Ela sabia que aquilo era extremamente errado., Eles haviam acabado havia mais de um ano. Mas quem liga para isso?
Ela nunca sentiu tanta confiança nela mesma como naquele instante.
Ela continuou beijando-o e dançando, lentamente, de cá para lá, de lá para cá, num ritmo incessante, compassado.
Ela o percebeu rindo entre lábios.
Ela sabia que era aquilo que ele queria, deixá-la louca
Ela sabia que ele estava conseguindo, enfim.
Os dois passaram o final da tarde ali, naquela briga sem gritos, se amando.
Os dois sabiam que aquele era o fim de sua história. Mas não importava tanto assim. Talvez fosse, na verdade, apenas o começo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ablepsifobia

Sophie Kinsella

Ser mulher