Feliiiz 2011!

Mais um ano que passou.
Nunca fui muito de comemorar essas festas de final de ano. Sempre achei meio supervalorizado e um exagero de significados que, muitas vezes, nem existem. Natal e ano novo sempre foram como dias comuns para mim. Não os desprezo, não odeio quem gosta deles, não tenho nada contra, só não sinto as mesmas coisas. É indiferente para mim. Ok, a gente ganha presente e roupa nova e come coisas gostosas. Mas fora isso, o que representa o Natal para a maioria das pessoas? Um rito. Uma festa do capitalismo e blá blá blá. Mas cada um com sua crença não é mesmo?
Já o ano novo parece mais vazio ainda. Celebramos a chegada do ano ou o termino do passado? Nunca consegui identificar. E quem foi que criou as promessas de fim de ano? Alguém aí conhece um ser humano que tenha de fato cumprido essas tais “promessas” alguma vez? Por que nunca ouvi falar.
Ter metas é legal. Mas sou contra as promessas. Promessas são as maiores fontes de desapontamento. Projetos, metas, sonhos, tudo ok, mas prometer é como se você estivesse dizendo que não vai conseguir, não importa quanto queira. É não ter coragem o suficiente para admitir o fracasso, admitir que não, talvez você não possa. E não poder é normal para o ser humano. Errar é normal. Mas prometer é apenas tornar o erro ainda maior, ainda mais doloroso, em minha opinião.
É muito estranho pensar no ano que passou. Nada parece ter mudado, no entanto. Ano passado pensava em coisas como o ano de pré-vestibulanda e quão assustador isso parecia. Foi assustador. Foi um verdadeiro terror de apostilas do inicio ao fim. Mas acabou. O ENEM já passou. Continuo eu aqui. Não mais uma pré-vestibulanda, mas também não uma vestibulanda ainda. Se serei ainda esse ano? Como posso saber? O resultado só sai lá para o final de fevereiro. Até lá, dúvida infinita...
Me mudei. Minha rotina virou de cabeça para baixo. Já trabalho e ganho o próprio dinheiro, que parece não dar nunca para nada. No entanto eu não pareço ter mudado muito.
Inconstante. Acho que essa palavra define o ano passado inteiro. Ele foi cheio de altos (muuito altos) e baixos (beeem baixos). E sabe de uma coisa? Não gosto muito dessa montanha-russa não. Eu já tenho uma cabeça complicada o suficiente por si só. A vida não precisa ficar dando voltas e mais voltas só para embaralhar tudo, não.
Não vou fazer promessas.
Mas há um sonho, uma vontade apenas. Não que tudo der certo, por que isso é mais fantasia do que realidade. Vida é vida e ela não é justa, as coisas simplesmente não dão certo.
Queria apenas paz.
Paz para lidar com as inconstâncias, minhas e da vida.
É o que desejo para todos os leitores do mais outra vez. Um bom ano para vocês!

Comentários

Danielle Martins disse…
Tem meme pra você no coração, quem sabe assim tu volta a escrever...

Postagens mais visitadas deste blog

Ablepsifobia

Sophie Kinsella

Ser mulher